Mês: janeiro 2015

Das Novas Formas do Trabalho: Nomadismo Digital

Em 2015, existe um universo de possibilidades no que diz respeito à forma de trabalhar. E se você ainda pensa em home office, está na hora de conhecer o nomadismo digital. Enquanto milhões (bilhões!) de pessoas no planeta enfrentam o trânsito para chegar ao escritório, os nômades mudam de continente. Por opção, eles não têm endereço fixo, costumam passar temporadas em diferentes países, de onde trabalham a partir de uma base digital. Os nômades me parecem ser a melhor expressão do nosso tempo. Gente que se apossou da tecnologia para ser, de certa forma, livre – ao contrário dos tantos que são reféns dela. Solitários? Não necessariamente. Como novo fenômeno social, o nomadismo começa a criar suas formas de agrupamento. O Find a Nomad é uma delas. Com o aplicativo, você tem acesso ao mapa mundi, repleto de outros nômades devidamente identificados. Vai passar uma temporada em Sevilha? Basta checar se há alguém nas redondezas. Incríveis mesmo são os cowork offices destinados aos andarilhos hitech. A diferença é que possuem não só um espaço de …

Diário do 50º Dia

Há exatos 50 dias, mudei radicalmente meu estilo de vida. E à medida que a rotina torna-se mais leve, mais flexível e com mais sentido, vejo minha reserva de contentamento aumentar. A ciência afirma que um ser humano que realiza atividades criativas e altruístas experimenta a felicidade em seus patamares mais elevados. De minha parte, agrego: é preciso ter tempo para ser feliz. Não tenho trabalhado pouco. Contudo, tenho trabalhado e vivido intencionalmente. Presente, no aqui-agora, atenta a cada decisão. Com responsabilidade, tenho declinado dos convites que me conduziriam a posições confortáveis, mas que me devolveriam de pronto ao ponto de partida. Não quero voltar. Na mitologia grega, Sísifo é condenado a rolar uma enorme pedra até o cume de uma montanha. Toda vez que alcança o topo, a pedra rola montanha abaixo. Ele recomeça sua tarefa, eterna. O que pode romper essa dor? A consciência, defendeu Albert Camus. Sugestão de Leitura O Mito de Sísifo, Albert Camus O que a Ciência Ensina sobre Cérebros Felizes

A Bola de Cristal das Tarifas Aéreas

Se você, assim como eu, tem uma agenda flexível e pode aproveitar boas oportunidades para viajar vai gostar do meu novo achado, o Hopper. A startup de Boston, nos Estados Unidos, acumula dados passados das companhias aéreas e, a partir deles, prediz qual a melhor data para sua viagem e, ainda, quando comprar a passagem. Isso mesmo, informa até em que dia da semana a tarifa deverá estar mais baixa. O uso é simples. Basta informar a origem e o destino para que o Hopper forneça o que se busca: o precinho camarada. Com o roteiro Brasília-Atenas, obtive as seguintes informações: melhor período para viajar – meados de maio, melhores dias para voar – partir em uma segunda e retornar em uma terça, melhor dia para comprar – segunda, companhias aéreas que praticam as melhores ofertas neste itinerário – Air France, TAP e Swiss Air. Por U$ 1.152? Thanks, Hopper! Foto: Royalty Free

Um Sabático Diferente

Tenho remotas chances de tirar um período sabático clássico, ao menos nesta encarnação. Sendo assim, institui 2015 como um ano sabático no qual vou trabalhar. Se a essência do sabático é dedicar-se a si mesmo, aos interesses intelectuais, à saúde ou ao espírito, o que me impede? A proposta do #TFCP é exatamente essa: adicionar leveza e flexibilidade à vida, de tal forma que seja possível conciliar o que até pouco tempo seria considerado paradoxal. Claro que subir num tapete voador exige planejamento de toda ordem e muita disciplina. E é sobre isso que vou tratar aqui, ao longo do ano. Erros e acertos, ônus e bônus, perdas e ganhos. A ideia é explorar e documentar o caminho para que outras pessoas que desejem percorrê-lo sintam-se inspiradas.  Mais que isso: a ideia é ver pessoas tão preocupadas com as decisões que impactam suas vidas, quanto com seus looks do dia. Sabe a hashtag #OOTH (Outfit of the Day ou Look do Dia)? Pois é, quem sabe em breve a gente não vê o #TFCP pelas redes sociais. Foto: Royalty Free

Meu Anywhere Office

“- Oi Carla, tudo bem?” – Tudo, Edval. “- Fiquei sabendo que fechou a empresa. Está trabalhando em casa?” – Quase isso. “- Agora você vai ver como as pessoas têm preconceito em relação a Home Office.” Edval tem sido fornecedor de meus clientes há 20 anos. Ele é um desses sujeitos que escolheram trabalhar artesanalmente. E em casa. Quando eu desenho projetos de sinalização é ele que executa. Madeira, metal, vidro, acrílico – ele simplesmente se vira e transforma os desenhos em realidade. Mas, foi com esse minúsculo diálogo que ele me deu sua melhor colaboração. Não, pensei, eu não passei a trabalhar em Home Office. Eu deixei a estrutura empresarial convencional para usar a meu favor todas as mudanças que ocorreram nos últimos anos. Trabalho no meu Anywhere Office – terminologia usada hoje em âmbito mundial. Esta modalidade está para o nosso tempo assim como a cozinha aberta está para o fim do século 20. A cozinha fechada era uma herança do tempo em que área social e área dos empregados não se misturavam. Levamos décadas para derrubar …

Por Onde Começar

Muita gente me pergunta como organizo minhas viagens. Não uso agências por opção. Gosto do processo de pesquisa, construção do roteiro e avaliação dos hotéis ou apartamentos para alugar. E tenho um espírito aventureiro a tal ponto que fui para a Grécia via Emirados Árabes. Sim, não faz o menor sentido, mas para mim fez. Quando decido para onde e quando ir, meu primeiro passo é pesquisar a passagem no Decolar. Antes que você grite daí “eles cobram taxas altas e têm muitas reclamações na praça”, eu reitero: eu só pesquiso. As promoções oferecidas no portal geralmente estão disponíveis diretamente nas linhas aéreas. Passagens podem ter variações absurdas e seria impossível realizar uma busca como a oferecida pelo Decolar. De quebra, eu me permito experimentar empresas que jamais escolheria em primeira mão, como foi o caso da Etihad – a linha aérea de Abu Dhabi. Excelente, registre-se. Obviamente tenho restrições. As companhias aéreas que no passado me entregaram uma péssima experiência e todas as que compõem a lista negra da Comunidade Europeia não entram no meu rol de opções. A lista …

Um Economista em Minha Vida

Em 2013, passei a assessorar o Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF-DF). Com esse trabalho ganhei outro cliente, o economista José Eustáquio Moreira de Carvalho. Posso dizer sem titubear: se aquele não fosse meu trabalho, era eu que deveria pagá-lo. No Brasil, nossa educação financeira é próxima a zero e a convivência com o financista permitiu que eu me desse conta disso. Nesta entrevista, José Eustáquio responde às perguntas elementares para quem pensa em conciliar um presente prazeroso a um futuro com certa segurança. Uma pessoa que decide trabalhar de maneira autônoma deve poupar quanto do que fatura mensalmente? A atitude de poupar deve independer do tipo de relação que temos com o trabalho. Deve ser adotada tanto para quem tem vínculo empregatício quanto para quem é trabalhador autônomo ou empresário. O valor a ser poupado deve ser estabelecido em função do que se espera da vida futura. Contudo, a recomendação mais comum entre especialistas é a de se investir, no mínimo, 10%. Isso, em aritmética simples, ao final de um ano, garante uma reserva  equivalente a um salário …

Os Minimalistas

Dizem que quando o discípulo está pronto o mestre aparece. Na verdade, na era da Economia da Atenção (opa, isso aqui merece um post!), de alguma forma conseguimos enxergar o que nos interessa em meio a um turbilhão de informações. Foi assim com Os Minimalistas. No processo de construção do #TFCP (vai se acostumando, é assim que identifico esta plataforma), me deparei com uma apresentação no TED . E lá estava Ryan Nicodemus com sua proposta: “Imagine sua vida daqui a um ano, dois anos, cinco anos: como ela será? Imagine uma vida com menos: menos posses, menos estresse, menos dívidas, menos descontentamento, menos distrações…Agora, imagine uma vida com mais: mais tempo, mais relações plenas de sentido, mais satisfação…Isso, que você está imaginando, é uma Vida Intencional. Não é perfeita, não é fácil. É simples. E mais rica.” Graças à maturidade, hoje eu sei que os desejos de mudança existencial que ocorrem comigo, como esse de simplificar a vida, já vêm ocorrendo em outros lugares e com outras pessoas. São fenômenos sociais, que começam a se manifestar …

Âncoras Existenciais

Quando fechei minha empresa, após 15 anos de uma trajetória bem sucedida, passei por uma sabatina. As pessoas à volta buscavam um drama: falência, briga entre sócios, perda irrecuperável de mercado? Como ao senso comum é inaceitável que alguém abandone qualquer construção, tinha que haver algo obscuro por trás dos supostos tapumes. Passadas as primeiras semanas, a conversa reincidente tornou-se outra. Cada vez que informava a abertura de um novo negócio, a primeira pergunta era: qual é o endereço. Impossível, naquele momento, explicar que havia escolhido içar velas e desfazer amarras. E continuar trabalhando mesmo assim, inclusive melhor e para aquele que me indagava. Nunca estive tão equipada. Tenho gadgets, redes, sistemas de mensagem instantânea, nuvens. Contudo, enquanto meus arquivos passeiam pelo espaço, insistia em passar 2 horas no carro, 10 horas no escritório e o que restava em casa. E desse resto, a maior parte exausta. Gastava tanto para manter um status quo que por causa dele não sobrava nada, nem tempo, nem vontade. Home office? Não. Falo de mobilidade, porque já vai longe …