Todos os posts com a tag: Home Office

No Sofá da Hebe

Chegaram as fotos do Papo de Mulher, projeto super bacana capitaneado pelas coaches  Nolah Lima e Liliane Sant’Anna. Eu dividi o sofá com Janete Vaz – fundadora do premiado Laboratório Sabin – e Carolina Rezende – criadora do Mulher de Negócio.  Minhas amigas convidadas, a âncora Lili e o auditório repleto de mulheres lindas transformaram a noite em algo muito especial. O evento me encheu de alegria e me deu a certeza de que há muita gente querendo conhecer as novas formas de viver e trabalhar. Anúncios

Workation: o Vento que Move o Tapete

Até pouco tempo, falar de trabalho e férias numa mesma frase era indigesto. Ninguém que esperou um ano inteiro queria colocar na mala, ali entre o biquíni e o chinelo de dedo, um rol de pendências a serem resolvidas debaixo da barraca de sol. Eu mesma viajei muitas vezes com pepinos na bagagem. No destino, eles pulavam em mim sem qualquer cerimônia e só me largavam dois dias depois, quando já estava tri-exausta e o digníssimo tri-aborrecido. Mas, isso é conversa do passado. Hoje, tudo que eu quero é unir trabalho e férias, desfrutando do melhor que a tecnologia me oferece: o Workation, do inglês work + vacation. A diferença é que quem pega carona agora é o descanso e não o trabalho. Na temporada 2015 do #TFCP farei quatro viagens, sem deixar de trabalhar. Serão quatro países, em quatros estações climáticas, de onde manterei meu Anywhere Office em funcionamento para atendimento aos meus clientes. Sabático? Não. Mochilão? Não. Nomadismo digital? Não. É o meu Tapete. Simples assim.

Cris Guerra no Tapete

Cris Guerra é escritora e colunista de moda e comportamento. Isso para os outros. Para mim, é uma amiga querida, cuja história de vida é inspiração líquida, para beber virando o copo. É dela uma das frases que gostaria de ter dito: “Tenho tanto azar, mas tanto azar, que vira sorte”. Azar que nada, Cris tem é muito bom humor e a capacidade de rir de si mesma, característica que atribuo a pessoas inteligentes. Em 2010, ela jogou a âncora fora e subiu no tapete. Conversei com ela sobre a experiência. O que motivou a ruptura com o modelo tradicional de trabalho? Você teve medo? Se teve, como enfrentou? Eu era redatora publicitária, tinha uma carreira bem sucedida de 20 anos trabalhando em agências. Em 2007, criei dois blogs sem nenhuma pretensão, mas em um ano eles começaram a mudar o rumo da minha profissão. O Hoje Vou Assim, primeiro blog de looks diários do Brasil, tinha sua audiência crescendo dia a dia e, junto com ela, novos caminhos se abriam. Eu era convidada para palestrar …

Aviso aos Navegantes

A medida que recebo cumprimentos pela coragem de embarcar em um novo estilo de vida e ouço os primeiros feedbacks de pessoas que se sentiram inspiradas pela decisão que tomei e de outras que acreditam que nunca poderão mudar a rotina, cresce a minha responsabilidade. A ideia do #TFCP é mostrar possibilidade e não utopia. Alguns requisitos são necessários para dar o pontapé. Como esse não é um sabático, é preciso trabalhar. Assim, a atividade profissional do candidato a piloto de tapete voador deve oferecer a possibilidade de atuar à distância. Mais fácil para jornalistas, designers e programadores. Possível para vários outros profissionais. Hoje um radiologista pode facilmente emitir laudos à distância. No meu caso, possuo empresa e tenho contratos de longo prazo. A diferença é que estabeleci um limite de projetos simultâneos, para não comprometer minha qualidade criativa e minha capacidade de entrega. A disciplina é fundamental: trabalho de segunda a sexta, em horário comercial. Claro que me permito usar parte da semana útil para assuntos pessoais e até para lazer, mas nesses casos …

Das Novas Formas do Trabalho: Nomadismo Digital

Em 2015, existe um universo de possibilidades no que diz respeito à forma de trabalhar. E se você ainda pensa em home office, está na hora de conhecer o nomadismo digital. Enquanto milhões (bilhões!) de pessoas no planeta enfrentam o trânsito para chegar ao escritório, os nômades mudam de continente. Por opção, eles não têm endereço fixo, costumam passar temporadas em diferentes países, de onde trabalham a partir de uma base digital. Os nômades me parecem ser a melhor expressão do nosso tempo. Gente que se apossou da tecnologia para ser, de certa forma, livre – ao contrário dos tantos que são reféns dela. Solitários? Não necessariamente. Como novo fenômeno social, o nomadismo começa a criar suas formas de agrupamento. O Find a Nomad é uma delas. Com o aplicativo, você tem acesso ao mapa mundi, repleto de outros nômades devidamente identificados. Vai passar uma temporada em Sevilha? Basta checar se há alguém nas redondezas. Incríveis mesmo são os cowork offices destinados aos andarilhos hitech. A diferença é que possuem não só um espaço de …

Diário do 50º Dia

Há exatos 50 dias, mudei radicalmente meu estilo de vida. E à medida que a rotina torna-se mais leve, mais flexível e com mais sentido, vejo minha reserva de contentamento aumentar. A ciência afirma que um ser humano que realiza atividades criativas e altruístas experimenta a felicidade em seus patamares mais elevados. De minha parte, agrego: é preciso ter tempo para ser feliz. Não tenho trabalhado pouco. Contudo, tenho trabalhado e vivido intencionalmente. Presente, no aqui-agora, atenta a cada decisão. Com responsabilidade, tenho declinado dos convites que me conduziriam a posições confortáveis, mas que me devolveriam de pronto ao ponto de partida. Não quero voltar. Na mitologia grega, Sísifo é condenado a rolar uma enorme pedra até o cume de uma montanha. Toda vez que alcança o topo, a pedra rola montanha abaixo. Ele recomeça sua tarefa, eterna. O que pode romper essa dor? A consciência, defendeu Albert Camus. Sugestão de Leitura O Mito de Sísifo, Albert Camus O que a Ciência Ensina sobre Cérebros Felizes

Meu Anywhere Office

“- Oi Carla, tudo bem?” – Tudo, Edval. “- Fiquei sabendo que fechou a empresa. Está trabalhando em casa?” – Quase isso. “- Agora você vai ver como as pessoas têm preconceito em relação a Home Office.” Edval tem sido fornecedor de meus clientes há 20 anos. Ele é um desses sujeitos que escolheram trabalhar artesanalmente. E em casa. Quando eu desenho projetos de sinalização é ele que executa. Madeira, metal, vidro, acrílico – ele simplesmente se vira e transforma os desenhos em realidade. Mas, foi com esse minúsculo diálogo que ele me deu sua melhor colaboração. Não, pensei, eu não passei a trabalhar em Home Office. Eu deixei a estrutura empresarial convencional para usar a meu favor todas as mudanças que ocorreram nos últimos anos. Trabalho no meu Anywhere Office – terminologia usada hoje em âmbito mundial. Esta modalidade está para o nosso tempo assim como a cozinha aberta está para o fim do século 20. A cozinha fechada era uma herança do tempo em que área social e área dos empregados não se misturavam. Levamos décadas para derrubar …