Todos os posts com a tag: José Eustáquio Moreira de Carvalho

Aviso aos Navegantes

A medida que recebo cumprimentos pela coragem de embarcar em um novo estilo de vida e ouço os primeiros feedbacks de pessoas que se sentiram inspiradas pela decisão que tomei e de outras que acreditam que nunca poderão mudar a rotina, cresce a minha responsabilidade. A ideia do #TFCP é mostrar possibilidade e não utopia. Alguns requisitos são necessários para dar o pontapé. Como esse não é um sabático, é preciso trabalhar. Assim, a atividade profissional do candidato a piloto de tapete voador deve oferecer a possibilidade de atuar à distância. Mais fácil para jornalistas, designers e programadores. Possível para vários outros profissionais. Hoje um radiologista pode facilmente emitir laudos à distância. No meu caso, possuo empresa e tenho contratos de longo prazo. A diferença é que estabeleci um limite de projetos simultâneos, para não comprometer minha qualidade criativa e minha capacidade de entrega. A disciplina é fundamental: trabalho de segunda a sexta, em horário comercial. Claro que me permito usar parte da semana útil para assuntos pessoais e até para lazer, mas nesses casos …

Um Economista em Minha Vida

Em 2013, passei a assessorar o Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF-DF). Com esse trabalho ganhei outro cliente, o economista José Eustáquio Moreira de Carvalho. Posso dizer sem titubear: se aquele não fosse meu trabalho, era eu que deveria pagá-lo. No Brasil, nossa educação financeira é próxima a zero e a convivência com o financista permitiu que eu me desse conta disso. Nesta entrevista, José Eustáquio responde às perguntas elementares para quem pensa em conciliar um presente prazeroso a um futuro com certa segurança. Uma pessoa que decide trabalhar de maneira autônoma deve poupar quanto do que fatura mensalmente? A atitude de poupar deve independer do tipo de relação que temos com o trabalho. Deve ser adotada tanto para quem tem vínculo empregatício quanto para quem é trabalhador autônomo ou empresário. O valor a ser poupado deve ser estabelecido em função do que se espera da vida futura. Contudo, a recomendação mais comum entre especialistas é a de se investir, no mínimo, 10%. Isso, em aritmética simples, ao final de um ano, garante uma reserva  equivalente a um salário …