Todos os posts com a tag: Workation

Desatadoras de Nós

Lili e Nolah deixaram para trás uma vida executiva para se tornarem coaches. Pergunto a elas: mas, afinal, o que faz um coach? A dupla me explica que a linha que adota, a ontológica, busca promover mudanças na forma como o indivíduo vê o mundo. “Nas sessões, criamos contextos para que a pessoa tenha insights, faça novas declarações perante a vida e, com isso, desfaça impossibilidades criadas por ela mesma e que a impedem de realizar o que deseja”, descrevem. Explico que recebo e-mails de pessoas que afirmam ser impossível fazer o que fiz: encerrar um longo ciclo profissional para me tornar uma workation-er. Por isso estou ali. Segundo Lili, as impossibilidades muitas vezes nascem na infância, a partir do que ouvimos ou de como interpretamos o que ouvimos: “Ocorre que não somos mais crianças, hoje é um novo momento. Através da linguagem, das conversas que estabelecemos com o coachee, atualizamos essa realidade e ele consegue abrir novas portas”. Nolah completa: “A palavra é ação. Novas declarações feitas geram novas chances. Você mesmo um dia …

No Sofá da Hebe

Chegaram as fotos do Papo de Mulher, projeto super bacana capitaneado pelas coaches  Nolah Lima e Liliane Sant’Anna. Eu dividi o sofá com Janete Vaz – fundadora do premiado Laboratório Sabin – e Carolina Rezende – criadora do Mulher de Negócio.  Minhas amigas convidadas, a âncora Lili e o auditório repleto de mulheres lindas transformaram a noite em algo muito especial. O evento me encheu de alegria e me deu a certeza de que há muita gente querendo conhecer as novas formas de viver e trabalhar.

Os Surfistas da Era Pós-Digital

Bem-vindo à era pós-digital, que se caracteriza pela presença imperceptível da conexão. O digital não mais amedronta ou fascina, tornou-se trivial. E o que incomoda mesmo é a sua ausência. Restaurante que não oferece wifi caracteriza quase falta de educação com o cliente. Os mais ligados, já deixam a chave da rede em um display na mesa, porque ela será demandada antes mesmo do cardápio. Não é por acaso que um mar de gente decidiu viajar trabalhando ou trabalhar viajando. A era pós-digital, como todas as que a antecederam, é marcada por mudanças no comportamento social. Assim nasceram os Nômades Digitais, os Workation-ers e os Jobbatical-ers.  Os primeiros não têm endereço fixo, seguem mudando de país e carregam tudo que têm na mala. Os segundos levam o trabalho consigo quando viajam e fazem de qualquer destino seu escritório. E os terceiros usam oportunidades de trabalho temporário no exterior como forma de experimentar outras culturas. Todos têm seus projetos de vida viabilizados pela conexão – são surfistas digitais. O mais interessante é que alguns são surfistas mesmo. O Surf Office possui duas unidades, uma na Santa Cruz, na Califórnia …

Mala com Alça

Workation exige organização. Só o checklist tecnológico garante uma bagagem de bom tamanho – de mão, é claro, porque ninguém vai correr o risco de ver seus equipamentos se perderem em uma conexão. Depois de pesquisar, chego aos seguintes itens: Laptop Tablet (na primeira viagem vou descobrir se ele realmente é necessário) Smartphone (40% dos workation-ers contam com o celular para estarem alcançáveis a maior parte do tempo) Charger (no momento meu objeto de desejo chama-se Puku) Protetores de tela e cases para os equipamentos Câmera fotográfica Monopod (sim, eu assumo: faço selfies) Fones GoPro Skype instalado Nuvem devidamente abastecida com todos os arquivos de trabalho Para não ter surpresas é importante viajar com a nota fiscal dos produtos importados adquiridos no Brasil. Já que o formulário para declarar a saída de eletrônicos foi extinto, é na volta que se preenche a Declaração Eletrônica de Bens do Viajante (e-DVB). Equipamentos fabricados no Brasil obviamente estão isentos. Também na preparação, é necessário estabelecer o expediente que será praticado – no meu caso, para que possa informar …

Workation: o Vento que Move o Tapete

Até pouco tempo, falar de trabalho e férias numa mesma frase era indigesto. Ninguém que esperou um ano inteiro queria colocar na mala, ali entre o biquíni e o chinelo de dedo, um rol de pendências a serem resolvidas debaixo da barraca de sol. Eu mesma viajei muitas vezes com pepinos na bagagem. No destino, eles pulavam em mim sem qualquer cerimônia e só me largavam dois dias depois, quando já estava tri-exausta e o digníssimo tri-aborrecido. Mas, isso é conversa do passado. Hoje, tudo que eu quero é unir trabalho e férias, desfrutando do melhor que a tecnologia me oferece: o Workation, do inglês work + vacation. A diferença é que quem pega carona agora é o descanso e não o trabalho. Na temporada 2015 do #TFCP farei quatro viagens, sem deixar de trabalhar. Serão quatro países, em quatros estações climáticas, de onde manterei meu Anywhere Office em funcionamento para atendimento aos meus clientes. Sabático? Não. Mochilão? Não. Nomadismo digital? Não. É o meu Tapete. Simples assim.

Das Novas Formas do Trabalho: Nomadismo Digital

Em 2015, existe um universo de possibilidades no que diz respeito à forma de trabalhar. E se você ainda pensa em home office, está na hora de conhecer o nomadismo digital. Enquanto milhões (bilhões!) de pessoas no planeta enfrentam o trânsito para chegar ao escritório, os nômades mudam de continente. Por opção, eles não têm endereço fixo, costumam passar temporadas em diferentes países, de onde trabalham a partir de uma base digital. Os nômades me parecem ser a melhor expressão do nosso tempo. Gente que se apossou da tecnologia para ser, de certa forma, livre – ao contrário dos tantos que são reféns dela. Solitários? Não necessariamente. Como novo fenômeno social, o nomadismo começa a criar suas formas de agrupamento. O Find a Nomad é uma delas. Com o aplicativo, você tem acesso ao mapa mundi, repleto de outros nômades devidamente identificados. Vai passar uma temporada em Sevilha? Basta checar se há alguém nas redondezas. Incríveis mesmo são os cowork offices destinados aos andarilhos hitech. A diferença é que possuem não só um espaço de …